quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

O que motiva os cientistas?

O que faz um cientista se sentir motivado e que fatores podem inibir o seu trabalho? Esta foi a pergunta que o professor Luiz Claudio Tavares Silva buscou responder em sua pesquisa de mestrado, no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UENF. Intitulada “Motivadores e não-motivadores da pesquisa acadêmica: um estudo-piloto de condições ambientais em laboratórios de uma universidade pública”, a pesquisa teve a orientação do professor Manuel Antônio Molina Palma, do Laboratório de Engenharia de Produção (LEPROD) da UENF.

O universo da pesquisa foram os professores que atuam nos programas de pós-graduação (mestrado e doutorado) vinculados aos quatro Centros da UENF — Biociências e Biotecnologia (CBB), Ciência e Tecnologia (CCT), Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA) e Ciências do Homem (CCH). Eles responderam a um questionário que permitiu medir a sua percepção sobre os fatores que contribuem ou não para o melhor andamento de seu trabalho. Como não foi possível obter uma amostra representativa do universo total de professores, Luiz Claudio prefere tratar os resultados como ‘indícios’ dos fatores que interferem no trabalho dos cientistas.

Dentre os fatores que podem fomentar a pesquisa estão: troca de experiências com outras instituições,  dedicação exclusiva dos pesquisadores, laboratórios bem equipados, boa vontade dos demais pesquisadores, subsídios do governo, prazer em trabalhar, eficiente interdisciplinaridade, número suficiente de bolsas de pesquisa e um bom ambiente de trabalho. Já entre os fatores inibidores destacam-se: excesso de burocracia, relacionamento pessoal, falta de pesquisadores com espírito de liderança e relação precária com laboratórios de outros Centros.

— Não foram observados, no entanto, indícios da existência de diferenças entre os núcleos de pesquisa. Apesar de cada Centro possuir objetivos, processos, políticas, conteúdos e principalmente pessoas diferentes, não podemos afirmar que há fatores distintos interferindo no andamento das pesquisas — afirma Luiz Claudio.

Também não há indícios de que a existência de parcerias com empresas, bem como o tempo em sala de aula possam interferir de forma positiva ou negativa no desenvolvimento das pesquisas. O baixo grau de interação entre os Centros também não parece interferir no trabalho. No entanto, a ausência de profissionais com uma personalidade participativa, integradora e dinâmica pode impactar o desempenho das atividades em cada núcleo.

— O núcleo da representação social da comunidade científica estudada está voltado para as relações interpessoais. Estas relações, por sua vez, interferem de forma incisiva no desempenho da função. Em um ambiente onde o prazer de ser pesquisador parece transcender as dificuldades impostas pelo plano estrutural, é esperado que fatores como liderança, burocracia e relacionamentos pessoais e profissionais apareçam em destaque — afirma.

Segundo Luiz Claudio, nem todos os pesquisadores responderam ao questionário — muitos chegaram mesmo a se recusar a participar, enquanto outros simplesmente não devolveram o material. No total, participaram da pesquisa 36 professores/pesquisadores — 11 do CBB, 11 do CCT, três do CCH e 11 do CCTA.

— Apenas o CCTA manteve na amostra sua representatividade do universo. O CBB teve uma representatividade acima, enquanto CCT e CCH ficaram abaixo — conclui.

Veja aqui a apresentação da dissertação.


Fúlvia D'Alessandri

6 comentários:

  1. Boa dissertação para ciências humanas, não para engenharia.

    É isso que acontece quando administradores vão dar aula para engenheiros, eles não sabem utilizar ferramentas quantitativas e ficam fazendo trabalhos de CCH.

    Arica, ensina os caras aí o que é engenharia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De Manuel Antonio Molina Palma
      Para: Anônimo
      __________
      Lamento a sua visão estreita do que é a área de engenharia de produção, do que são os estudos das Ciências Sociais e o que é metodologia de pesquisa. Precisa de mais tempo na universidade ...
      A referida pesquisa é quantitativa na sua natureza - e a ela você ainda não teve acesso - como para tecer o comentário acima.
      As Ciências Sociais Aplicadas utiliza tanto de metodologias de pesquisa qualitativas quanto de metodologias estatísticas descritivas e inferenciais avançadas, como a análise multivariada de dados ou até estatística não paramétricas. Em algumas áreas, como a psicologia, é possível até realizar projetos de experimentos. Os fenômenos sociais são complexos, na sua natureza, envolvendo inúmeras variáveis que atuam de forma simultânea. O que é importante numa pesquisa qualitativa ou quantitativa é o rigor do pesquisador com os cuidados antes, durante e depois do levantamento de dados.
      Anônimo, estude mais, pesquise mais.

      Excluir
    2. "As Ciências Sociais Aplicadas utiliza tanto de metodologias de pesquisa qualitativas quanto de metodologias estatísticas descritivas e inferenciais avançadas, como a análise multivariada de dados ou até estatística não paramétricas. Em algumas áreas, como a psicologia, é possível até realizar projetos de experimentos. Os fenômenos sociais são complexos, na sua natureza, envolvendo inúmeras variáveis que atuam de forma simultânea. O que é importante numa pesquisa qualitativa ou quantitativa é o rigor do pesquisador com os cuidados antes, durante e depois do levantamento de dados."

      Como o esperado, a resposta foi a de um professor de Ciências Sociais. Tudo bem, mas cadê a relação com Engenharia de Produção?

      Excluir
  2. Luiz Claudio Tavares Silva19 de março de 2012 09:58

    Olá Anônimo (seria de bom tom ter se identificado),

    Observo que você não leu nosso trabalho na íntegra; até porque ele ainda não foi publicado. Convido-o a fazer uma leitura integral e reportar nova crítica sobre os resultados do trabalho. Isto sim seria relevante para nós.

    Foi feita uma análise quantitativa; e não apenas qualitativa.

    No que tange as competências do engenheiro, gostaria de salientar que faz parte delas a capacidade de análise do trabalho e dos processos organizacionais, cuidando de sua otimização. Neste aspecto, nosso trabalho encontra-se em consonância. O trabalho em questão busca identificar justamente as variáveis do ambiente de PRODUÇÃO CIENTÍFICA que afetam os RESULTADOS EM PESQUISA ACADÊMICA.

    Em um ponto você tem razão: Se este trabalho for levado para o CCH, também terá sua aplicação. Mas isto não quer dizer que não possua aplicação nas Engenharias.

    No fundo de seu comentário, observo apenas uma visão limitada. E essa é a contribuição que Administradores podem dar às Engenharias. Mostrar que além da exatidão dos números há apectos que precisam ser considerados. Não se toma uma decisão baseada apenas em números.

    ResponderExcluir
  3. "No que tange as competências do engenheiro, gostaria de salientar que faz parte delas a capacidade de análise do trabalho e dos processos organizacionais, cuidando de sua otimização."

    Luiz, otimização é palavra técnica de Pesquisa Operacional, acho que vc quis dizer melhoria.


    "No fundo de seu comentário, observo apenas uma visão limitada. E essa é a contribuição que Administradores podem dar às Engenharias. Mostrar que além da exatidão dos números há apectos que precisam ser considerados. Não se toma uma decisão baseada apenas em números."

    Não é visão limitada de minha parte, para que um Programa de Pós-Graduação consiga ter nota Capes maior que 3 vc tem que publicar artigos em revistas. No caso da Engenharia de Produção, os temas devem fazer parte da área Engenharia III. Vc acha que vc consegue publicar numa revista de Qualis A1 ou A2 de Engenharias III com o tema escolhido para sua tese?

    Enquanto a graduação está entre as melhores do país, a pós está ficando na berlinda, as publicações em congresso não tem peso que sustente uma pós-graduação.

    ResponderExcluir
  4. Penso o seguinte:

    Engenharia sem número é igual a Mestrado sem Dissertação.

    Ou seja, é coisa de de país subdesenvolvido e de baixo nível.

    Talvez se puxasse o título para "o que motiva os engenheiros"... quem sabe.

    Acho boa a intenção de trabalho e fica aqui meus parabéns.

    ResponderExcluir